edicao

  • Música sempre foi algo muito além do que se ouve ou vê.

    Aqui na Revista Som sempre ficou muito claro que tínhamos em mãos a responsabilidade de falar sobre um verdadeiro instrumento de mudança social, aquele que é talvez uma das mais incríveis armas que a sociedade tem. Aquele que marca! Dessa forma, cada pauta selecionada envolve inúmeros fatores para estampar as páginas da revista.

    Idealizar uma edição mostrando o protagonismo da mulher no mundo da música não foi fácil. Não mesmo. O motivo em nenhum momento foi a ausência de nomes para preencher cada matéria dessa edição 25, mas a incrível quantidade de artistas que hoje encantam nas mais variadas vertentes e se tornaram essenciais não só para o gênero que atuam, mas para a sociedade como um todo.

    Foi difícil, mas é com um orgulho inenarrável que lançamos essa edição 25 com mulheres que admiramos demais. Que fazem a diferença. Que são precursoras, vistas como porta-vozes dessa geração e que pavimentam um futuro ainda mais brilhante, com empoderamento e luta. Porque – como dissemos no início desse editoria – música é muito mais do que aquilo que se lê e ouve.

    Karol Conka, magistral, é nossa capa. Foi uma honra incrível trevistar uma artista que rompe com tantos padrões e segue explorando diversos caminhos musicais. Temos ainda nada menos que Letrux, que lançou um álbum incrível em 2018, e Papisa, uma artista fantástica que não faz música... ela sente a música! E, claro, Jennifer Batten. Olha a responsa... uma década com Michael Jackson, outro período com Jeff Beck... que currículo absurdo...

    Também tem Cassie Kinoshi na matéria principal, a mulher que é responsável pela mais recente onda de jazz inglês, liderada por mulheres e imigrantes. Tudo isso fruto de uma pesquisa pesada e que ensinou muito a todos nós. E ainda tem Katy Perry, o livro da Grazon, ex-esposa do Chorão, e muito mais.

    É sempre uma honra imensa ter a sua presença em nosso site, o interesse em nossa revista. Chegamos na edição 25, algo que nunca imaginávamos que seria possível. E ainda temos tanto para falar...

    Obrigado – de todo coração – por nos fazer alcançar esse número. Não perca tempo, essa edição é toda delas!